.

Ana Carolina, Ana Laura, Diabetes e Amamentação

0 comentários |
Pra quem já leu sobre a minha gestação, aqui mesmo no blog da Kath... Vai saber mais sobre meus dias atuais como estão...

Minha filha mais velha tem 18 anos 4 meses e 20 dias se chama "Diabetes" e a minha caçulinha tem 10 meses e 26 dias!

Acho que não sou a única mãe no mundo que prefere a filha mais nova... Afinal a mais velha chama minha atenção o tempo todo e às vezes me quer só pra ela...

Brincadeiras a parte...


Ser mãe mudou muitas coisas em mim e nas minhas glicemias, ao amamentar tinha aquela fraqueza que independente do Diabetes todas nós temos, eu tinha crises absurdas de hipo, teve um dia que meu glicosimetro só marcou vários Lo (abaixo de 30 *eu acho*)...

Eram dias tensos, pois eu não podia ficar com a minha filha no colo, pois eu tinha muito medo de derrubar e ferir um ser tão pequeno e indefeso...



Confesso que eu era preguiçosa pra CARAMBA pra amamentar, na verdade eu nem sabia direito... Preferia tirar o leite e dar na mamadeira, fui varias vezes em reuniões de amamentação e cada vez era pior, eu tinha muito leite e a Ana Laura (minha princesa) tinha muita fome... Ela gritava de fome e eu morria de chorar pq não conseguia enfiar o peito na boquinha minúscula dela...

Quando ela via a mamadeira, sentia o cheiro do leite, ela gritava de alegria, parecia àqueles pobres nordestinos que vinham de longe num pau de arara com sede e fome pra São Paulo procurando uma vida melhor...

Coitadinha...

Mas coitadinha de mim também né? Eu com o peito enorme e dolorido não estava dando certo... As hipers começaram aparecer...

Lá ia eu tirar leite de novo, congelava e esquentava AAAAAI ERA UM SACO!

Um belo dia de sol e muita maresia... Deixei a bichinha chorar de fome até a ultima lagrima... OU VOCÊ PEGA O PEITO OU VAI FICAR COM FOME! ( pensei com o coração moído ) .Ela agarrou meu peito enfiou com tudo na boquinha e nunca mais soltou!!! Foi minha maior felicidade...



Até os 3 meses de vida dela, meus hormônios ainda estavam a todo vapor, lágrimas e emoções... Ela chorava de cólica e eu desesperada chorava por vê-la sofrer... Todos os pediatras falavam que era normal o bebê ficar até 10 dias sem fazer coco ...

GENTE QUEM CONSEGUE FICAR ATÉ 10 DIAS SEM FAZER O NUMERO 2?

Por minha conta e risco eu dei suco de laranja lima com ameixa pra ela e FOOOOOOOOI A MAIOOOOOR MELECA, mas foi um alivio... Ela não teve mais dores, e as noites de sono passaram a ser mais tranqüilas.... Só não foram melhores  pq as hipos me perseguiam, eram apaixonadas por mim...

Durante 6 meses só amamentei no peito, ainda com hipos horrives, e a minha princesa às vezes assistia tudo de camarote do bercinho dela (pra quem não sabe sou mãe solteira e dormimos juntinhas no mesmo quarto) ela chorava de susto, pq nas hipos eu grito mto, deliro demais, chuto todo mundo, às vezes falo abobrinhas e uma feira inteira...

Com 10 meses de vida, ela já comia de tudo! Arroz, feijão, carne frango, verduras, legumes, celular, controle remoto, tampa de mamadeira, brinquedos etc. rrs e divide tudo com a boneca dela!


Fui a endócrino pela primeira vez depois que ela nasceu (relaxo total eu sei), a mesma pediu pra eu tirá-la do peito, pq a pediatra só pensa no bebe e não pensa na mãe dm!

E MEU CORAÇÃO COMO FICA???? Mas ficou! Lindo batendo do mesmo jeito!!!!

Ana Laura, não fez drama nenhum pra sair do peito, simplesmente eu não ofereci e ela não queria mais saber... Adicionei leite NINHO na amamentação dela, se faz bem ou mal eu não sei, mas sei que ela adora, e não passa fome...

Minhas glicemias estão mais controladas, menos hipo...

E daqui pra frente serão novos dias, conquistas e vitórias!l Novos tombos, novos gritos, novas escaladas na estante, novos degraus a subir, novos galos na testa, novas manhas, mimos e UMA FELICIDADE CONSTANTE!

Ultima hemoglobina foi 7.3 estou tomando 10 unidades da Lantus, não uso a bomba por estética (ridículo né?), mas pretendo em breve! E agora estou fazendo contagem de carboidratos!

Até que tá bom... já a frutosamina....é melhor deixar pra lá pra eu não levar broncas da Kath!!!rsrssr

Sempre um prazer imenso escrever pro seu blog, se eu tivesse mais tempo detalhava tudooooo e muito mais!!!


Sou mãe, diabética e feliz demais! E cada dia mais doce!

Davi e a Bomba de Insulina

0 comentários |
Algumas histórias do Davi e a Bomba de insulina:

- Davi enroscou o pé na bomba e arrancou o catéter, assim de repente... Foi uma dor!


- Bomba pendurava na cintura, coloco-o para mamar no peito, por trás do braço ele ficava passando a mãozinha na bomba, agora aprendeu a puxar o catéter.


- A bomba apitou que havia acabado a insulina do reservatório, eu pra variar esqueci de trocar, conclusão: Acabou a insulina. Eu precisava trocar e o Davi não parava de chorar, coloquei a insulina no reservatório e o Davi estava na cama chorando, peguei-o no colo e coloquei a bomba com ele nos braços.


São artimanhas que a gente vai desenvolvendo para ser uma boa mãe e uma cuidadosa diabética.

Davi e a bomba de insulina

Outra história...
Pela manhã eu arrumava umas coisas em casa e Davi estava no colo do pai no quarto assistindo TV qdo eu ouço Anderson falando com ele:
-Filho, hj o programa está falando sobre diabetes...É o q mamãe tem, sabia? Vai aprendendo já... Hipo vc pega balinha no pote na cabeceira da cama,hiper ela tem q tomar insulina e bláblá...

Eu achei isso tão bonitinho!

Amamentação

4 comentários |
Nos últimos narrei a saga do parto, nascimento, hipoglicemia no Davi e outras coisas mais, nestes posts procurei inserir informações técnicas que julguei importante para que vocês pudessem entender o funcionamento dessas. Pois bem, hoje vou falar da amamentação...

Davi está mamando no peito e na mamadeira, embora algumas pessoas me critiquem por isso pela questão do aleitamento materno, eu só respondo uma coisa: Da minha cria cuido eu!

Não estou sendo grossa apenas sei por que meu filho está no peito e na mamadeira, eu dava peito e o menino continuava chorando, era um choro sem fim a partir daí notamos que era fome, ele esvaziava os dois peitos e não se sentia satisfeito, optar pela mamadeira foi pensando também na minha ausência e na volta para o trabalho, tomo medicamento para ajudar na produção do leite. Chupeta não quis dar e nos viramos bem sem ela.


No peito...
E na mamadeira



Primeiro dou o peito á ele, este é um momento de total entrega, intimidade e muito carinho e ele adora. Logo após o peito dou 120 ml de fórmula. Dizem que amamentar emagrece, pode até ser, só que não senti isso por aqui, pelo menos por enquanto, falta emagrecer 2 quilos restantes da gestação, mais pelo menos estou mantendo... Confesso que amamentar aumentou minha fome, estou regrada na contagem de CHO  e  mexendo sempre (junto com a endocrino) na dosagem de insulina pois o gasto calórico para a produção do leite é maior favorecendo as hipoglicemias. A nutricionista também mexeu na dieta. A endocrino tá de olho na minha fome, pois comer muito e ir contando CHO, favorece o aumento de peso.

Monitorar-se tornou-se sagrado por aqui. Já pensou eu com uma hipo severa com um bebê pra cuidar? Deus me livre! E confesso que isso aconteceu há uns dias atrás, a sorte é que o Anderson estava aqui, me senti horrível, um lixo e impotente...

De madrugada amamentei o Davi, dormi, eram umas 7 horas e ele acordou chorando (tô relatando o que o Anderson me disse, não me recordo), acordei  transtornada, não falava coisa com coisa, o bebê chorava ao meu lado e não tomei consciência disso, tentei amamentar a fralda de pano dele,não tinha noção das minhas atitudes, vendo meu desespero Anderson o acalentou e deu mamadeira á ele, enquanto isso eu andava pela casa desnorteada falando pelos cotovelos, gritando... Eu só me lembro, de tentar abrir o pote de balas que fica ao lado da minha cama e de andar pela casa, me senti desnorteada, com dificuldade de raciocínio, confusa... nem lembrava que era mãe... Anderson me ajudou a corrigir a hipo e aos poucos fui voltando e percebendo minha realidade. Foi tenso! Meu esposo me ajudou mais irritou-se comigo, não acreditava no que estava vendo. Percebo que com a amamentação as hipos severas tendem ser mais severas, por isso o cuidado deve ser redobrado.

Depois dessa experiência confesso que me traumatizei, to medindo bem mais vezes e no que depende de mim to em cima do controle glicêmico, agora não sou mais sozinha, outra pessoa depende de mim e precisa que eu esteja inteira.

Amamentarei até quando ele quiser, novembro volto á trabalhar e agora estamos decidindo se ele vai ou não pra escolinha...

Várias amigas minhas DMs1 deram exclusivamente o peito, a escolha é de cada mãe, eu preferi dar os dois e estamos bem assim.

Conselho: Comam de 3 em 3 horas (você comerá um pouco mais pois o apetite será maior), monitorem-se mais, deixe balas ao seu lado sempre, beba bastante líquido e peça ajuda se sentir mal.

Desenvolvi várias técnicas para estar com o dextro em dia, meço a glicemia amamentando, trocando o bebê e fazendo várias outras atividades. Diabetes + Bebê é assim meso!

Até o próximo post!


Hipoglicemia no Davi?

1 comentários |

Davi nasceu com a glicemia em 45mg/dl, como eu já disse considerada boa para um recém-nascido, com esta glicemia depois de uma amamentação tudo seria resolvido, porém como ele foi pra UTI resolveu-se com soro e no dia seguinte com a fórmula (leite artificial).

Todos os dias na UTI  eu queria saber o valor da glicemia dele, mantinham-se sempre na casa dos 70 á 90 mg/dl.

Eu não me preocupava se ele era ou não diabético, sabia que isso seria quase que impossível de acontecer, embora algumas amigas minhas DM1, tivessem filhos DM1(como já disse não por que elas são, mais por que eles simplesmente eram), minha maior preocupação era como driblar estas hipos, se eu adulta pastava imagine um bebê!

Fui perguntar aos médicos o que fazer e em diálogo me disseram:

" Seu bebê não teve uma hipo considerável, se fosse abaixo de 40mg/dl nos preocuparíamos mais, porém com este valor logo a glicemia se estabilizará e as coisas entrarão no eixo. Isso ocorreu pois provavelmente ele tenha tido baixos níveis de glicogênio no fígado (reserva necessária para fabricar a glicose), por ser prematuro e filho de mãe DM1. Como eles têm poucos depósitos de gordura no corpo, também ficam sem ter de onde tirar energia extra. Isso logo é corrigido, só estamos te explicando a parte científica da coisa... Tem outras coisas mais em resumo é isso."

Foram 8 dias no Hospital e após chegar em casa minha maior preocupação era se as hipos iriam persistir (mesmo ele não tendo no hospital entrei na paranóia), por mais que os médicos do hospital, minha nutricionista e endocrino dissessem que não, aquilo me perturbava... Claro que em casa fui fazer os dextros para conferir...


Primeira conferência quase que o deixei sem dedo, não sabia que em bebês os dextros eram feitos no calcanhar e fui fazer no dedinho dele... Que dó!


Quando vi o resultado em 56 mg/dl quase que infartei... Fiz um alarde em casa e corremos pro hospital, ele tinha apenas 10 dias de vida. Quando cheguei no local o médico já queria me matar, com um olhar furioso me disse:


-Mãe, o que você está fazendo aqui com um bebê de 10 dias?


Lhe expliquei tudo, e ele continuou:


- 56 mg/dl pra um bebê não é considerado ruim, o aporte e necessidades dele são bem menores, o corpo dele é menor, por isso não se preocupe lhe dê peito e se ele tiver com fórmula dei-lhe também que este índice logo melhorará. E pelo amor de Deus me suma com este menino daqui. Aqui tem tudo o que é doença e não é bom pra ele... Entendo sua preocupação, mais tenha certeza ele não está sentindo o que você sente com hipo...


Conversando com uma amiga ela me disse que o médico dela lhe falou que abaixo de 60mg/dl é hipo, o meu disse que abaixo 40mg/dl... Decidi que isso não me preocuparia pois o amamento e complemento com Aptamil, a tendência de cair é mínima, ele não é DM e seu organismo estava se adaptando a nova vida...Não iria pirar e deixar o Anderson doido também.


Voltamos para casa e a partir daquele dia prometi que se eu fizesse o dextro no Davi seria no máximo uma vez por mês e no calcanhar.


Mandei um e-mail para a nutricionista que me respondeu:


"Quando a gestante com diabetes passa por várias situações de hiperglicemias, principalmente no final da gravidez, o pâncreas do bebê produz mais insulina para metabolizar essa quantidade maior de glicose que está recebendo no útero materno. Após o nascimento não tem mais o mesmo aporte, porém o pâncreas continua produzindo muita insulina. Aos poucos vai regularizando."


Depois do médico do hospital,obstetra,  pediatra,endocrino e nutricionista terem me acalmado hoje tô mais light pois entendi os por ques das coisas e sei que me filho está bem...


Abaixo umas fotos do dia em que fiz o dextro no Davi.











Débora: DM1 e mãe de Gêmeos

0 comentários |
Meu nome é Débora Melo, tenho 21 anos,sou diabética há 12 anos, á pedido da Kath hoje divido com vocês um pouco da minha vida.
Tive uma gestação gemelar, confesso que minha gravidez não foi planejada, mas muito bem aceita. Uso as insulinas NPH e Apidra e não faço contagem de CHO.
Quando engravidei minha glicada estava 15.6% um descontrole total, não esperava engravidar...  A partir daí iniciou-se todos os cuidados necessários para que tudo corresse bem.
Fiz o pré natal no Hospital São Paulo, fui muito bem assistida por médicos maravilhosos.
Medos? Sim, tive. Por se tratar de uma gestação gemelar, de alto risco, difícil controle do DM e principalmente no ganho de peso dos meninos. Os medos só passaram quando tive meus filhos em meus braços.
Fiquei internada três vezes, uma no começo da gravidez por que tive muitas hipos, depois por ter hipers e na ultima por ter hipos novamente e por que os bebes estavam perdendo peso.
Complicação séria não tive durante a gravidez, tive apenas o descontrole das glicemias e por isso mudava toda semana as dosagens das insulinas para tentar um melhor controle, foi muito difícil conseguir tudo perfeito.


Graças a Deus todos os exames que fiz na gravidez os resultados foram muito bons, fundo de olho sem complicação, hemoglobina foi para 6.6% só o TSH que alterou, controlei com o remédio Puran. Tive um baita susto com este resultado! O segundo grande susto foi a diminuição do peso dos bebês... Fiz o eco fetal, nele acusou que um dos bebes tinha civ e golf Ball (problemas cardíacos), fiquei com medo e apreensiva, porém depois por meio de outro exame soubemos que foi erro de imagem. Graças a Deus!
Durante a gravidez escolhemos os nomes dos bebês que foram: Bryan (pq o pai deles é super fã do filme Velozes e Furiosos) e Derick (pq eu acho lindo o nome Erick, mas como já tinha um Erick na família só acrescentei o D para ficar diferente e mesmo assim parecer com Erick).
No dia 02/08/2013, com 36 semanas de gestação e um parto cesárea fui agraciada com o nascimento dos meus filhos.Bryan nasceu primeiro ás 15:42 com 48 cm e 2.700 kg e o Derick ás 15:43 com 47.5 cm e com 2.905 kg.

Estou tentando amamentar,tenho tido dificuldades, pois por serem prematuros eles não tem boa sucção no peito, mas insisto para q peguem, quando percebo que não vão sugar retiro o leite do peito e dou á eles.
Nunca acreditei q poderia ser mãe por causa do DM, mas vi q estava errada sobre isso, é possível, sou prova disso.  Apesar de todo o esforço o cansaço de ir ao médico direto, é muito gratificante ficar grávida e ganhar bebe... Dois então! Sou feliz por vê-los com saúde!
Embora o cotidiano com o DM e os dois bebês tem sido corrido, (imaginem quando os dois choram juntos e querem mamar ao mesmo tempo kkk) dou Graças a Deus por tê-los comigo, hoje tenho ao meu lado as razões da minha vida pela qual faz com q eu me cuide cada dia mais para poder sempre ter saúde para cuidar deles.
Aconselho DMs a engravidarem, sou prova que isso é possivel, até mesmo duplamente. Mas hoje com a experiência que tenho aconselho: Planejem-se antes! Ponham exames em dia e façam desse momento ainda mais mágico!